English Espaol

Buscar artigos: em     Busca Avançada

RGO - Revista Gaúcha de Odontologia > Vol. 60, N° 3 (2012)

open journal systems


Quality of life and oral health experience in HIV-infected and non-infected children / Qualidade de vida e experiência em saúde bucal de crianças com e sem infecção pelo HIV

Ana Luiza Dias Leite de ANDRADE
Calina de Almeida Japiassu ALVES
Maria Benalva de MEDEIROS
Hébel Cavalcanti GALVÃO
Marize Raquel Diniz da ROSA



Resumo

ABSTRACT

Objective
Identify and compare quality of life indicators with oral health experience of HIV-infected and non-infected children.

Methods
The study was of the descriptive, exploratory and quantitative type, which was used the modified Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé, consisting of 26 questions with four possible answers and total scores ranging from 0 to 78. The cut-off score was 48, with same or higher scores indicative of satisfaction with quality of life indicators and lower, prejudiced quality of life indicators. To evaluate oral health experience, six questions were added, which used the same score scale as Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé, but that were considered separately. Eighty children from 6 to 13 years old participated in the research. They were divided in two groups: 20 HIV+ (Group 1) and 60 HIV- (Group 2).

Results
The mean scores were 50.45 and 50.8 for Groups 1 and 2, respectively. In relation to the oral health experience, the mean score was 7.0 for Group 1 and 8.6 for Group 2, showing significant differences (p = 0.0018). When the subdivision by age (children from 6 to 10 years and from 11 to 13) was considered, significant differences were also observed only for the oral health experience (p = 0.0165).

Conclusion
The children interviewed had satisfactory quality of life indicators indicators, while the oral health of HIV-infected children was considered impaired when compared with that of non-infected children.

Indexing terms: Acquired immunodeficiency syndrome. Oral health. Quality of life.


RESUMO

Objetivo
Identificar e comparar os indicadores de qualidade de vida com a experiência em saúde bucal de crianças infectadas ou não pelo HIV.

Métodos
O estudo foi do tipo descritivo, exploratório e com abordagem quantitativa, no qual foi utilizado o Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé modificado, composto por 26 questões com quatro possibilidades de resposta e pontuação total variando de 0 a 78 escores. A nota de corte foi de 48, sendo os escores iguais ou superiores à mesma indicativos de qualidade de vida satisfatória e os inferiores, de prejudicada. Para avaliar a experiência em saúde bucal, foram adicionadas seis questões que utilizavam a mesma escala de pontuação do Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé, mas que foram consideradas separadamente. Participaram da pesquisa 80 crianças dos 6 aos 13 anos que foram divididas em dois grupos: 20 HIV+ (grupo 1) e 60 HIV- (grupo 2).

Resultados
A média geral dos escores foi de 50,45 e de 50,8 para os grupos 1 e 2, respectivamente. Em relação à experiência em saúde bucal, a média dos escores foi de 7,0 para o grupo 1 e de 8,6 para o grupo 2, verificando-se diferenças estatisticamente significantes (p=0,0018). Ao se considerar as crianças de acordo com a subdivisão por idades (6 a 10 anos e 11 a 13) também foram observadas diferenças significativas apenas quanto à experiência em saúde bucal (p=0,0165).

Conclusão
As crianças entrevistadas apresentaram padrões de qualidade de vida satisfatórios, enquanto que em relação à saúde bucal, as com HIV foram consideradas prejudicadas quando comparadas com as não infectadas.

Termos de indexação: Síndrome da imunodeficiência adquirida. Saúde bucal. Qualidade de vida.


Texto completo: PDF



Research
Support Tool
  For this
avaliação pelos pares artigo
  Context
  Action

Capa | Atual | Arquivos | Sobre | Avisar | Contato | Buscar | Acesso