English Espaol

Buscar artigos: em     Busca Avançada

RGO - Revista Gaúcha de Odontologia > Vol. 61, N° 1 (2013)

open journal systems


Influence of three types of drinks on the surface of human dental enamel: in vitro study / Influência de três tipos de bebidas sobre a superfície de esmalte dentário humano: estudo in vitro

Eron Toshio Colauto YAMAMOTO
Aleska VANDERLEI
Reginal AMARAL
Rebeca DI NICOLÓ
João Carlos da ROCHA
Maria Amélia Máximo de ARAÚJO



Resumo

ABSTRACT

Objective
The aim of this study was to evaluate the erosive effect of three beverages which are considered to be acidic in vitro study.

Methods
We used 45 third molars. The teeth were cut to obtain 90 4x4 mm enamel blocks, obtained from the buccal and lingual surfaces of each tooth. The groups were divided by type of beverage (Coca-Cola®, Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brazil; Coca-Cola Zero®, Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brazil and Gatorade uva®, Ambev, Jaguariúna, Brazil) and number of cycles (7, 15 and 30 cycles). For each cycle, the specimens were immersed in the drink for 2.5 minutes by alternating with immersion in saliva for 1 hour. Each cycle simulates one day of intake. Statistical analysis, ANOVA and Tukey 5% for profilometry showed the statistical difference between the kind of beverages and between periods.

Results
Coca-Cola® (Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brazil) (3.99±1.25) differed from other kinds of beverage. All the periods differed and the period of 30 days saw the greatest structural loss. For microhardness, the statistical analysis showed greater loss of surface hardness for the group Coca-Cola® (Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brazil) within 30 days (126.02 ± 30.98) SHL.

Conclusion
It was concluded that the soft drink Coca Cola® (Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brazil) had the greatest erosive effects and the higher the number of cycles the greater the influence on the process of dental erosion.

Indexing terms: Beverages. Dental enamel. Hardness test.


RESUMO

Objetivo
Avaliar o efeito erosivo de três bebidas ácidas sobre o esmalte dentário num estudo in vitro.

Métodos
Foram utilizados 45 terceiros molares humanos. Noventa blocos de esmalte de dente humano (4X4 mm) foram obtidos a partir das faces vestibular e lingual de terceiros molares. Os blocos de esmalte foram divididos de acordo com o tipo de bebida testada (Coca-Cola®, Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil; Coca-Cola Zero®, Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil e Gatorade uva®, Ambev, Jaguariúna, Brasil) e quantidade de ciclos (7, 15 e 30 ciclos). Cada ciclo simulava um dia de ingestão, o qual compreendia a imersão dos corpos de prova (n=10/tipo de bebida e quantidade de ciclos) nas bebidas (2,5 minutos), alternados por imersão em saliva (1 hora). Para quantificação do efeito erosivo, foi avaliada a perfilometria (μm±DP) e a perda de dureza superficial. Os dados foram analisados por ANOVA 2 fatores e Tukey 5%.

Resultados
A perfilometria demonstrou diferença estatística entre as bebidas e entre os períodos, sendo que a Coca-Cola® (Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil) (3.99±1,25) diferiu das outras bebidas. Todos os períodos diferiram entre si sendo que para o período de 30 dias ocorreu a maior perda de estrutura. Para a microdureza a análise estatística demonstrou maior perda de dureza superficial para o grupo Coca-Cola® (Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil) no período de 30 dias (126,02 ± 30,98) perda de dureza superficial.

Conclusão
Concluiu-se que a Coca-Cola® (Coca-Cola do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil) apresentou os maiores efeitos erosivos e quanto maior número de ciclos, maior a influência no processo dentário erosivo.

Termos de indexação: Bebidas. Esmalte dentário. Testes de dureza.


Texto completo: PDF



Research
Support Tool
  For this
avaliação pelos pares artigo
  Context
  Action

Capa | Atual | Arquivos | Sobre | Avisar | Contato | Buscar | Acesso