English Espaol

Buscar artigos: em     Busca Avançada

RGO - Revista Gaúcha de Odontologia > Vol. 57, N° 2 (2009)

open journal systems


Posição e estabilidade dos incisivos inferiores após expansão rápida da maxila / Position and stability of the mandibular incisors after rapid maxillary expansion

Cláudia Louise Vigatti COELHO
Paulo Roberto Aranha NOUER
Darcy Flávio NOUER
Ivana Uglik GARBUI



Resumo

Objetivo: Avaliar cefalometricamente a posição e estabilidade dos incisivos inferiores logo após a expansão rápida da maxila e após um período de cinco meses de contenção. Métodos: A amostra consistiu em 21 escolares, com idades entre 6 anos e 11 meses e 11 anos, com dentição mista, mordida cruzada posterior e primeiros molares permanentes irrompidos. As crianças foram divididas aleatoriamente em dois grupos: grupo 1 (composto por onze crianças), no qual foi utilizado expansor rápido de maxila encapsulado e grupo 2 (composto por dez crianças), no qual foi utilizado expansor Hyrax convencional. Três telerradiografias de cada indivíduo, em norma lateral, foram realizadas: antes do tratamento, após expansão rápida da maxila e após um período de cinco meses de contenção. As medidas cefalométricas utilizadas para avaliar os incisivos foram: /1.NB, /1-NB, /1-Linha I, IMPA e /1-Jr. Os dados foram submetidos ao teste de Dalhberg, para cálculo do erro de repetibilidade e à ANOVA (p<0,05). Resultados: Os resultados mostraram diferença significativa entre as mecânicas adotadas, mas não apresentaram diferença entre as medidas iniciais, após expansão rápida da maxila e final, para todas as grandezas, exceto para /1-Jr. Conclusão: a expansão rápida da maxila, utilizando-se aparelho encapsulado ou Hyrax, não provocou alteração significativa das grandezas: /1.NB, /1-NB, /1-Linha I, IMPA; antes, após expansão rápida da maxila e após contenção.

Termos de indexação: ortodontia; cefalometria; incisivo; técnica de expansão palatina.


Abstract

Objective: To make a cephalometric evaluation of the position and stability of the mandibular incisors immediately after rapid maxillary expansion and after a containment period of five months. Methods: The sample consisted of 21 schoolchildren, aged between 6 years and 11 months and 11 years, with mixed dentition, posterior reverse articulation (posterior cross bite), and erupted permanent first molars. The children were randomly divided into two groups: Group 1 (composed of eleven children), in whom the encapsulated rapid maxilla expander was used, and Group 2 (composed of ten children), in whom the conventional Hyrax expander was used. Three lateral teleradiographs of each individual were taken: before treatment, after rapid maxillary expansion, and after a containment period of five months. The cephalometric measurements used for analyzing the incisors were: /1.NB, /1-NB, /1-Line I, IMPA and /1-Jr. The data were submitted to the Dalhberg test, to calculate the error of repeatability, and to ANOVA (p<0.05). Results: The result showed significant difference between the adopted mechanics, but showed no difference between the initial measures, those after rapid expansion of the maxilla and final measures for all the distances, except for /1-Jr. Conclusion: Rapid maxillary expansion, using the encapsulated appliance or Hyrax, caused no significant alteration in the distances: /1.NB, /1-NB, /1-Line I, IMPA; before, after rapid maxillary expansion and after containment.

Indexing terms: orthodontics; cephalometry; incisivor; palatal expansion technique.


Texto completo: PDF



Research
Support Tool
  For this
avaliação pelos pares artigo
  Context
  Action

Capa | Atual | Arquivos | Sobre | Avisar | Contato | Buscar | Acesso